A nova colheita de África: desenvolvimento sustentável através da inovação e transformação
Negocia
Negocia
19 abril 2022
Agricultura
Inovação
Transformação
Desenvolvimento Sustentável

negocia-img Os agricultores familiares estão a utilizar cada vez mais abordagens inovadoras e investigação científica, combinada com os conhecimentos tradicionais, para aumentar a produtividade dos seus campos, diversificar as suas culturas, melhorar a sua nutrição e construir resistência às alterações climáticas.

Esta reorientação pode ir muito mais longe com a inclusão de ferramentas digitais, ligações mais fortes com os mercados e uma maior eficiência ao longo das cadeias agro-alimentares, sobretudo se o sector privado e as políticas nacionais também apoiarem a transformação.

Este é o continente africano que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) está a trabalhar para promover, juntamente com uma vasta gama de parceiros, a fim de tornar os sistemas agro-alimentares africanos mais eficientes, mais inclusivos, mais resilientes e mais sustentáveis.

Para conseguir a transformação, são os próprios países africanos que devem assumir a liderança.

De 11 a 14 de Abril de 2022, mais de 50 países africanos reunir-se-ão para celebrar a 32.ª Sessão da Conferência Regional para a África em Malabo (Guiné Equatorial) e definir as prioridades regionais no que diz respeito à transformação dos sistemas agro-alimentares no continente. A Conferência Regional realiza-se numa altura em que 281 milhões de africanos não dispõem de alimentos suficientes para comer todos os dias, quase três quartos da população do continente não têm meios para comprar alimentos nutritivos, e a seca ameaça a vida e a subsistência das pessoas no Corno de África. Isto à medida que os países continuam a lutar com as repercussões económicas da pandemia da COVID-19.

Tal como as altas árvores de ceiba que crescem em toda a ilha de Malabo e são retratadas na bandeira nacional da Guiné Equatorial, também nós devemos manter-nos firmes perante os muitos desafios simultâneos e sobrepostos que África enfrenta. A reunião de alto nível de quatro dias terá lugar no mesmo local onde os líderes dos países membros da União Africana se comprometeram a transformar o sector agrícola e a erradicar a fome em África até 2025.

O tempo está a esgotar-se. Sem um esforço extraordinário de cada país africano, será difícil tornar realidade estas aspirações e alcançar as metas dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A digitalização e a Zona de Comércio Livre Continental Africana podem ser elementos-chave neste esforço extraordinário. Na FAO, vemos a digitalização como um elemento essencial do desenvolvimento rural. A nossa Iniciativa 1000 Aldeias Digitais está actualmente a ser testada em sete países africanos, e visa equipar as comunidades com ferramentas e serviços digitais para acelerar a transformação e o bem-estar rural. Através desta iniciativa, a FAO já apoiou países na utilização de ferramentas digitais para a criação de registos de terra electrónicos e aplicações para a gestão de pragas e doenças, incluindo serviços de extensão que cheguem aos agricultores nos locais mais remotos.

Da mesma forma, a Zona de Comércio Livre Continental Africana pode transformar radicalmente a prosperidade rural de África. Este mercado único regional, abrangendo 1,2 mil milhões de consumidores, é uma grande oportunidade para impulsionar o crescimento económico, reduzir a pobreza e expandir a inclusão económica. A sua rápida implementação nacional, tendo em conta as mulheres e a juventude, fará com que esta oportunidade beneficie a todos.

De facto, os países africanos já dispõem de um conjunto de instrumentos para acelerar a transformação dos sistemas agro-alimentares e o desenvolvimento rural. O principal entre estes é o Programa Integrado para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP), uma iniciativa a nível continental liderada por países africanos para erradicar a fome e reduzir a pobreza através do desenvolvimento agrícola.

Congratulo-me com a renovação do compromisso dos países africanos de acelerar a implementação do CAADP para cumprir os compromissos de Malabo. A FAO está pronta a apoiar este esforço, inclusive melhorando a qualidade dos dados utilizados para medir o progresso no âmbito da revisão bienal do CAADP.

Outros instrumentos existentes para acelerar os avanços incluem o Programa Africano de Desenvolvimento de Infra-estruturas, que cria um quadro comum para as partes interessadas africanas construírem infra-estruturas integradas para impulsionar o comércio e o emprego; a Estratégia da União Africana para as Alterações Climáticas, que visa alcançar a visão da Agenda 2063 através do fomento da resiliência do continente africano aos impactos negativos das alterações climáticas; a Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para África, que pode trazer enormes benefícios para a agricultura; e o Quadro para Impulsionar o Comércio intra-africano para fazer do comércio um motor de desenvolvimento.

Em tudo isto, a apropriação africana e a liderança africana são de importância vital.

Estas e outras questões estarão no centro da Conferência Regional. As mesas redondas ministeriais centrar-se-ão nas prioridades políticas necessárias para abordar e mitigar os três impactos da COVID-19 nos sistemas agro-alimentares africanos; investir na recuperação dos ecossistemas em África para a transformação dos sistemas agro-alimentares; promover o comércio e o investimento dentro da Zona de Comércio Livre Continental Africana; e assegurar que as mulheres, os jovens e os agricultores rurais sejam incluídos nos sistemas agro-alimentares do continente.

Convido os decisores políticos, as organizações da sociedade civil, as instituições de investigação, o sector privado, os parceiros doadores e todas as partes interessadas em transformar África através da inovação na agricultura, a acompanharem as discussões.

Estes serão baseados no Quadro Estratégico da FAO 2022-2031 Strategic Framework 2022-31 (fao.org), que apoia a Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030 e estabelece o nosso plano de trabalho para alcançar as quatro melhorias: uma melhor produção, uma melhor nutrição, um melhor ambiente e uma vida melhor para todos, não deixando ninguém para trás.

Para alcançar estes objectivos são fundamentais as iniciativas emblemáticas da FAO, tais como a Iniciativa Mão na Mão, que permite identificar lacunas na transformação rural e liga os países com parceiros para alcançar resultados tangíveis. É apoiado por uma plataforma de dados geoespaciais alimentada pelo grande acervo de dados da FAO sobre sectores-chave. Até agora, 27 países africanos aderiram a esta iniciativa mundial, e encorajo mais países do continente africano a participar e beneficiar desta oportunidade única.

A FAO também lançou recentemente em África a iniciativa "Um país, um produto prioritário" para ajudar os países a desenvolver cadeias de valor sustentáveis e a alcançar novos mercados.

Em várias cidades africanas está em curso a nossa nova Iniciativa Cidades Verdes, que integra a silvicultura e a agricultura urbana na gestão local. Isto torna as cidades mais sustentáveis e encurta a distância para que os alimentos nutritivos cheguem aos mercados. Todas estas iniciativas são impulsionadas pelos países e são propriedade dos países, sublinhando que a acção a nível nacional é fundamental.

Juntos podemos transformar a agricultura africana de modo a alcançar "A África que queremos”.

 

Qu Dongyu -  Director-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)

 

ARC32/Africa’s new harvest: sustainable development by innovation for transformation (fao.org)


Anexos

Você precisa fazer login ou registar para responder

Você precisa fazer login ou registar para comentar